Uberaba / MG - sábado, 19 de abril de 2014

Bartholinite

As glândulas de Bartholin estão localizadas uma em cada lado da abertura vaginal. Estas glândulas secretam fluido que ajuda a lubrificar a vagina, principalmente durante o ato sexual. Às vezes a abertura destas glândulas fica obstruída, fazendo com que o líquido volte para dentro da glândula. O resultado é relativamente indolor chamado de cisto de Bartholin. Às vezes, o líquido dentro do cisto podem ser infectados, resultando em pus rodeado por tecido inflamado (abscesso), o que é denominado de Bartholinite aguda. 

Um cisto de Bartholin ou um abscesso podem ser comuns. O tratamento de um cisto de Bartholin depende do tamanho do cisto, da dor e se o cisto está infectado. Quando existe a bartholinite aguda é necessária a drenagem e uso de antibioticoterapia para a resolução dos casos. Às vezes, ocorre reicidiva de bartholinite aguda, sendo necessária a resolução cirúrgica para se resolverem as recorrências.

Causas de Bartholinite

A bartholinite pode ser causada não só por agentes causadores de DST, como gonococo e clamídia mas também por bactérias da flora intestinal, estafilococos, estreptococos e E. coli (bactérias que não são sexualmente transmissíveis).

Sintomas de Bartholinite

Se o cisto é pequeno e não ocorre infecção, você pode nem notar. Se ele cresce e se torna infecctado, você pode sentir a presença de um nódulo ou massa perto de sua abertura vaginal - as pacientes chegam referindo a presença de uma "bola" ou "caroço" na vagina. 

Se o cisto é infectado – uma infecção pode ocorrer em questão de dias – você pode ter os seguintes sinais e sintomas:

  • Uma massa ou um caroço doloroso perto da abertura vaginal
  • Desconforto ao caminhar ou sentar
  • Dor durante a relação sexual
  • Febre

Um cisto ou abscesso geralmente ocorre em apenas um lado da abertura vaginal.

Tratamento para Bartholinite Aguda

Muitas vezes, uma Bartholinite Aguda exige tratamento com drenagem e uso de antibioticoterapia, além de banhos de assento:

  • Banhos de assento. Às vezes, a imersão em uma banheira cheia com alguns centímetros de água morna (banho de assento) várias vezes por dia, durante três ou quatro dias ajuda a drenagem espontânea e pode aliviar as dores.
  • Drenagem cirúrgica. Quando a paciente sente muitas dores e dificuldade para sentar ou andar é necessário realizar a drenagem do abscesso. A drenagem normalmente pode ser feita no consultório médico sob anestesia local, mesmo que infelimente algumas vezes a inflação local é tão severa que o uso do anestésico não auxilia muito no alívio da dor. Para fazer o procedimento de drenagem, é feito uma pequena incisão local, após assepsia para permitir a drenagem. 
  • Antibióticos. Se o cisto é infectado, ou se o teste revelar uma doença sexualmente transmissível, é necessário o uso de antibióticos para assegurar que as bactérias que causaram a infecção sejam destruídas.
  • Marsupialização.  Se os cistos são recorrentes ou incomodam, poderá ser realizada a marsupialização, sempre depois da resolução do quadro agudo. Este método é geralmente eficaz na prevenção de recidivas e preserva a glândula. É realizada a abertura do cisto e expostas as bordas do cisto. Estas bordas são unidas à pele do vestíbulo, em cada lado da incisão, para criar uma abertura permanente. 
  • Bartolinectomia. Quando se tem reicidivas persistentes e nenhum destes procedimentos é bem sucedido, pode ser necessária a remoção completa da glândula de Bartholin, mas isso raramente é necessário. A remoção cirúrgica é geralmente feita em um hospital com raquianestesia.

Não há nenhuma maneira de evitar um cisto de Bartholin. No entanto, praticando sexo seguro – em especial, usando um preservativo – e a manutenção de bons hábitos de higiene podem ajudar a prevenir a infecção de um cisto e da formação de um abcesso.